1412 DEZEMBRO 17, ÓvoaSentença pela qual se julgou que alguns casais no julgado de Óvoa, que estavam em posse de Diogo Soares, pertenciam ao Cabido da Sé de Coimbra.

A.N.T.T. – Cabido da Sé de Coimbra, 2.ª incorporação, mç. 9, n.º 428.

Sabham quantos este stormento de sentença virem que demanda era per dante Joham Domingoz de Cagido juiz em o julgado d’Ovoa terra de Diago Soarez senhor da dicta terra d’Ovoa per Andre Anes morador na cidade de Coinbra meio coonigo procurador do Cabidoo da See da dicta çidade de Coinbra autor que se em nome do dicto Cabidoo da huma parte e Diago Soarez senhor da dicta terra d’Ovoa per Joham Vicente morador no Souto termho do dicto logo d’Ovoa e per Diogo Lourenço morador no dicto logo d’Ovoa procuradores que se deziam do dicto Diago Soarez da outra reeos per si da outra parte mostrado logo o dicto Andre Anes em juizo contra o dicto reeo huma carta del rei Dom Joham que ora he que Deus mantenha escprita em papel e so escprita no fundo do nome de Gomez Nuniz doutor vassalo do dicto dicto senhor rei e do seu desenbargo e juiz dos seus fectos e seelada nas costas do seelo do dicto senhor rei na qual fazia mençom antre as outras cousas que o dicto senhor rei fazia saber ao corregedor que por el era na correiçom da Beira e a outros quaesquer que dello conheçimento e a todallas outras suas justiças a que a dicta carta fora mostrada que o chantre e Cabidoo da See de Coinbra lhe enviarom dizer que a dicta See ha certos casaaes e herdades no julgado d’Ovoa antre os quaes som hum que chamam Val do Barco e outro Parada e outro que cham o Ranhadoiro e outro o Soveral e outro Sam Paaio e outro o Castiçal e o outro a Zarroeira os quaes casais deziam que nom jaziam no regeengo do dicto senhor rei ante jaziam fora delle e que Fernam Gonçallviz de Santar seendo vivo e sendo a dicta terra d’Ovoa sua lhes tomou os dictos casaaes e lhes fezera poer so testaçom e embargo em ai novidades delles e que nunca lhes acodirom com ellas des o dicto tempo que lhes ele a dicta tomada fez no que deziam que reçebiam graça de agravo e que lhe enviarom pedir que merçee que lhes ouvese a ello alghum remedio com direito e lhes mandarom dar sua carta pois que os dictos casaes nom jaziam de outro no seu regeengo e que lhos entregarom com suas novidades e o dicto senhor rei vendo o que lhes asi dizer e pedir enviarom como por bem e mandou que presentes partes a que esto perteeçer se acharem que asi era como eles deziam que os dictos casaaes eram seus e nom jaziam dentro no regeengo do dicto senhor rey e lhes forom tomados pello dicto Fernam Gonçallviz que lhe los fezesem logo entregar com todas as novidades que renderom depois que lhes forom tomados ata ora e esto fezerem salvo se nos da outra parte for mostrada razom alguuma per que o de dereito nom aiade fazer a qual fora dada na cidade de Lixboa trinta dias de dezembro el rei ho mandou per Gomez Nuniz doctor em leiz do seu desenbargo e juiz dos seus fectos jazia[1] Era de mil IIIIc e quarenta e oito anos. Segundo esto e outras cousas mais compridamente eram conteudas na dicta carta per ela parecia a qual asi mostrada o dicto Andre Anes pedia ao dicto juiz que lha comprise pella gisa que em ella he conteudo ca presentes estavam pera fazer certo das condiçoens da dicta carta pedindo que o reçebesse a prova dellas os quaes forom tanto percedendo do fecto que da parte do dicto Diago Soarez per Gonçallo Nuniz curador do dicto Diago Soarez foi dicto em juizo perdante o dicto juiz contra a dicta carta que o dicto Cabidoo contra el mostra que a dicta carta fora gaanhada callando a verdade ao dicto senhor rei ca nom que dezia a dicta carta que o dicto Fernam Gonçallviz tomara os dictos casaes de regeengo del rey que el nom sabia se era regeengo mais jazia dentro no julgado d’Ovoa e que as aldeas em que jaziam os dictos casaaes pagam ao dicto senhor rei oitava que chamam o moordomo del rei ao medir que esto dezia com prestaçom de nom seer em perjuizo do dicto Diago Soarez e da dicta parte do dicto Cabidoo pello dicto Andre Anes seu procurador foi dicto e razoado que nom embargado as razoes do dicto Gonçallo Nuniz que o dicto juiz devia comprir a dicta carta del rei que muitas em razoes a primeira que ao que dizia o dicto Gonçallo Nuniz que a dicta carta fora ganhada callada a verdade e que os dictos beens forom embargados per el rei e nom pelo dicto Fernam Gonçallviz diz o dicto Andre Anos que salvo a sua rovereça que os dictos fruitos e bens nom forom embargados per el rei salvo a justiça do dicto Fernam Gonçallviz a seu requerimento e se per ventuira per el rei forom ou eram embargados esto mostrar per carta ou alvara del rei que el os mandara desenbargar como fora sua merçee ao que diz que nom sabe se os dictos casaes jazem conteudos na dicta carta jazem em regeengo ou nom mais que jazem no julgado d’Ovoa e que estas aldeas em que jazem estes casaes pagam a oitava a el rey a esto diz o dicto Andre Anes que he verdade que parte dos dictos casaaes jazem em no dicto julgado d’Ovoa e parte fora do dicto julgado e jazem alem Mondego e fora da terra dantre Om e Mondego que o dicto Fernam Gonçallviz dezia que era regeengo o que nunca for nem he e as aldeas e lugares em que jazem os dictos casaes nunca pagarom nem pagam oitava a el rei nem lhe fezerom nem fazem foro alghuum salvo tam polla merçe a aldeea do Soveral em que o dicto senhor rey ouve senpre quatro casaaes que som seus e lhe pagam sua oitava seu foro segundo sempre for de seu costume e nom mais e os outros casaaes e aldeas forom senpre e sam do dicto Cabidoo sem fazendo nunca foro a el rey nem a outro alghuum salvo a egrejia de Coinbra e nom forom nem som em regeengo e que esta que estes pera fazer dello certo segundo as condiçoens da dicta carta e pede que o reçebades a prova que som do dicto Cabidoo som fora do regeengo e nunca fezerom foro a el rei nem a outro salvo ao dicto Cabidoo como dicto he sem embargo das razoes dadas pello dicto Gonçallo Nuniz e per mando e que o dicto he que lhe façades entregar os dictos casaaes e fruitos asi so ristados segundo que vos he mandado pella dicta carta e nom no querendo nos asi fazer per testa que per nos e per nosos beens lhe sejam correndas todas as perdas e danos e meos cabos que sobresta razom a egrejia de Coinbra e senhores della e el em seu nome reçeber e outrosi a aver os dictos casaaes des o tempo que forom so testados ata ora e nos pede e requere que lhe desenbargedes e façades desenbargar os casaaes e herdades que som fora do dicto julgado que forom so ristados por[2] parte do dicto Fernam Gonçallviz esto diz com protestaçom de todo ho seu direito da dicta egrejia e da parte do dicto Diago Soarez foi dicto pello dicto Gonçallo Nuniz seu tetor e curador em ajuda da dicta seu razoado que o dicto juiz nom devia fazer obra nenhuuma por a dicta carta e a razom quer que dezia que sobre os dictos casaaes e herdades que a dicta See avia no dicto julgado d’Ovoa son he ordenado preito e demanda perdante el rei aver Fernam Gonçallviz e a dicta See o qual fecto pende perdante el rei e foro hi tiradas enquiriçoes as quaes som em casa del rei e o dicto fecto esta ja concluido pera se dar em el sentença e por quanto a dicta carta nom faz mençom do dicto fecto a dicta carta he sorraciçia que nom devia fazer obra pella nenhuuma e da parte do dicto Cabidoo pello dicto Andre Anes foi dicto que sem embargo do que pello dicto Gonçallo Nuniz era dicto que devia comprir a dicta carta del rei pois que era carta e mandado de seu rei e que devia reçeber a prova das condiçoens da dicta carta ca partes estava pera fazer sentença dellas que a dicta carta del Rei era per scrivam do dicto fecto e o dicto juiz visto o dizer e razoar das dictas partes que queria fallar com a dicta carta e com o razoado da huuma e da outra parte e dando sua falla per mençom no dicto fecto he viam sentença per escprito que tal he visto e razoado das dictas partes e visto em como o dicto reeo alega no dicto seu razoado que sobre os dictos casaaes e herdades conteudas na dicta carta que os dictos autores nom stam foi e hordenado preito perdante el rei antre Fernam Gonçallviz padre do dicto Diago Soarez e o dicto Cabidoo sobre o qual fecto forom tiradas enquiriçoes no dicto julgado d’Ovoa per cartas del rei se jaziam as dictas herdades e casaaes no dicto regeengo as quaes enquiriçoes forom e sam em casa del rei e visto em como eu dicto juiz desto som certo que tal ha verdade e visto como o dicto fecto pede que perdante el rei e vista a dicta carta que os dictos autores mostrem em como em ella nom faz mençom nenhuuma do dicto fecto que me o dicto senhor rei em elle dese conhoçimento e avendo sobre a dicta carta e razoado das dictas partes falla e conselho com os moradores e homeens que ham razom d’entender acho que o conhoçimento do dicto fecto nom he meu e por em ei me por nom juiz do dicto fecto e mando as dictas partes que se vaaom a seu fecto perdante o dicto senhor rei hu o dicto fecto pondo o dicto senhor rei ho livre como for sua merçe a qual sentença asi dada os dictos procuradores do dicto reeo receberom sentença e o dicto Andre Anes apellou e o dicto juiz nom lha reçebeu e o dicto Andre Anes agravou e o dicto juiz nom lhis mandou dar e o dicto Andre Anes pedio a mim tabelliam huum fecto de meu oficio de como lhe nom reçebia apellaçom nem agravo pera a merçee del rei ou de que lhe del de direito deva conhocer e parecendo Johaem Afomso coonigo da dicta See de Coinbra em nome do dicto Cabidoo come seu procurador que era e he perdante o dicto juiz que presente o dicto Diago Lourenço procurador do dicto reeo com o desenbargo do dicto stormento apresentou perdante o dicto juiz huma carta do dicto senhor rei escprita em Ragoi e so escprita no fundo do nome do dicto Gomez Nuniz doutor em leix do desenbargo do dicto senhor rei e seellada nas costas do seello do dicto senhor rei segundo em ella pareçia da quall carta o teor tal he:

“Dom Joham pella graça de Deus rei de Portugal e do Algarve a vos Joham Dominguez de Cagido juiz em terra d’Ovoa saude. Sabede que perdante nos foi mostrado huum fecto d’agravo fecto e asignado per Johaem Afomso tabeliam dese julgado no qual era conteudo que preito e demanda era per antre nos antre o chantre e Cabidoo da See de Coinbra per Andre Anes seu procurador de huuma parte e per Diago Soarez filho que foi de Fernam Gonçallviz de Santar per Gonçallo Martinz seu tetor da outra mostrando os dictos autores uma carta em que fazia mençom que o dicto Cabidoo avia certos casaaes e herdades no julgado d’Ovoa declaram doos na dicta carta os quaes nom jaziam no noso regeengo ante jaziam fora delle e que o dicto Fernam Gonçallviz seendo vivo e seendo a dicta terra sua lhes tomara os dictos casaaes e fezera poer so testaçom embargo e as novidades delles e que nunca lhes acuderom com ellas des o dicto tempo que asi a dicta tomada fezera e que sem nom mandavamos que presentes partes se achardes que os dictos casaaes era seus e nom jaziam dentro no noso regeengo que lhos em entregaredes com suas novidades que renderom depois que lhe forom tomados ata ora salvo se nos da dicta outra parte foro mostrada razom alghuma per que o de direito nom ouverdes de fazer segundo todo esto mais compridamente era conteudo na dicta nosa carta pedindo aos dictos autores per seu procurador que lha compriredes como em ella era conteudo e da parte do dicto reeo foi dicto que a dicta carta se nom deve de comprir nem demandes per ella fazer obra nem huuma per quanto sobre os dictos casaaes e herdades que a dicta See avia no dicto julgado d’Ovoa fora e era ordenado preito e demanda perante nos antre o dicto Fernam Gonçallviz e o dicto Cabidoo em o qual fecto ja forom tiradas enquiriçoes e eram perante nos com o dicto fecto que era ja concluso pera se dar em elle licremente e por quanto a dicta carta nom fazia mençom do dicto fecto era sorratiçia e se nom devia comprir nem fazer que ella obra nel via visto nos a dicta carta e o razoado da huuma parte e da outra e visto como da parte do dicto reeo era alegado que sobre os dictos casaaes herdades conteudas na dicta carta foram e era os de noso preito perante nos antre o dicto Fernam Gonçallviz e o dicto Cabidoo sobre o qual fecto forom tiradas enquiriçoes no (sinal do tabelião) dicto julgado se jaziam e os dictos casaaes no dicto regeengo e visto em como nos desto erades certo que tal era a verdade e visto como na dicta carta nom faziam mençom do dicto fecto e visto todo per nos achastes que o conhocimento do dicto fecto nom era noso e porem na a mandes por nom juiz delle e mandastes as outras partes que se veesem a seu fecto per antre nos onde o dicto fecto pedia da qual sentença o procurador do dicto Cabidoo apellou nos lhe nom reçebestes apellaçom e elle o pos por agravo segundo todo esto e outras cousas no dicto fecto mais compridamente era conteudo e ora o dicto chantre e Cabidoo nos enviarom pedir por merçee que lhes o mesmos a ello alghuum remedes com direito eu veendo o que nos asi dizer e pedir enviarom visto o dicto fecto achamos que os dictos chantre e Cabidoo eram agravados por quanto o fecto que ata quer de he soominte sobre os casaaes que jazem no regeengo e o dicto Cabidoo demandam os casaaes que jazem fora do regeengo porem teemos por bem e mandamos vos se asi he como no dicto fecto he conteudo que nom embargando a nosa sentença vaades pello dicto fecto em deante e dade em el livramento como achardes que he direito dando apellaçoens agravos as partes que apellar ou agravar quiserem. Unde al nom façades.

Dada em a cidade de Lixbooa trinta dias do mes de setembro el rei ho mandou per Gomez Nuniz doutor em leis do seu desenbargo juiz dos seus fectos. Joham de Lixboa afez Era de mil e IIII.c e cimcoenta anos.”

E o dicto juiz mandou dar o trellado da dicta carta ao dicto reeo e que respondese a ella e da parte do dicto reeo per o dicto Gonçallo Nuniz seu curador <foi razoado> e ata a dicta carta a se nom comprir dizendo que o dicto juiz nom devia fazer obra per a dicta carta nem compri la enquanto a dicta carta era sorraticia e fora gaanhada callado a verdade ao dicto senhor rei em que disserom ao dicto senhor rei e os dictos casaaes e herdades que jaziam fora do regeengo e que nom era aquelles sobre que era ordenado fecto e por dia perdante o dicto senhor rei que estes casaaes e erdades conteudas na dicta carta estes forom so riscados per mandado del rei e sobrestes meesmos fora ordenado o fecto que perante o dicto senhor rei pode forom tiradas enquiriçoes as quaes som na corte do dicto senhor rei com o dicto fecto o qual fecto he concluso d’anbhas as partes os quaes casaaes som dentro na terra d’Ovoa e o dicto senhor rei nos manda que conhoçades do dicto fecto achardes que asi he como o dicto Cabidoo lhe dise e pois asi nom he elles sellarom a verdade e o conhoçimento do dicto fecto o nom era do dicto juiz e que se devia daver por nom juiz dicto fecto[3] o dicto Cabidoo per o dicto Johaem Afonso seu procurador foi razoado dizendo antre as outras cousas que nom embargando e allegando da parte do dicto Gonçalo Nuniz que o dicto juiz deve porçeder por a dicta carta por mim segundo em ella he conteudo os quaes Johaem Afonso e Gonçallo Nuniz comcludirom sobre o dicto seu razoado e ficou em falla do dicto juiz sobre o dicto razoado e logo o dicto Gonçallo Nuniz dise que ele renuncava de seus procuradores os dictos Johaem Vicente e Diago Lourenço que nom podesem mais procurar no dicto fecto e o dicto Johaem Afomso procurador do dicto Cabidoo dise que pois que o dicto Gonçallo Nuniz renunçava os dictos procuradores que requeria ao dicto juiz que o ouvese o dicto Gonçallo Nuniz por çitado que per si estevese acollos termos e autos judiciaaes do dicto fecto e o dicto juiz visto seu dizer e pedir mandou ao dicto Gonçallo Nuniz que per si ou per seu certo procurador estivese a todollos termos e autos judiciaaes e a todallas outras cousas que perteençem a autos de juizo do dicto fecto e dando desenbargo sobre a falla do dicto razoado sobre que concludiram as dictas partes deu no dicto fecto huuma sentença anthituria que tal he:

“Visto as dictas cartas del rei e o que em ellas he conteudo e visto o razoado das dictas partes sem embargo do razoado do reeo mando que os dictos autores facam certo das condiçoems das dictas cartas que se tire enquiriçom e saibha a verdade pellas condiçoens das dictas cartas e o dicto Gonçallo Nuniz apellou e agravou da dicta sentença e o dicto juiz nom lhe reçebeu apellaçom nem agravo e tirando a dicta enquiriçom pellas condiçoens das dictas cartas aos termos que pelo dicto juiz foi asignado as se começase e acabase a revellia do dicto Gonçallo Nuniz que nom quis viir ao termo que lhes pello dicto juiz foi asignado seendo o dicto juiz a dicta enquiriçom por a parte do dicto Diago Soarez foi apresentada perdante elle por a parte do dicto Diago Soarez per o dicto Diago Lourenço huuma carta del rei em que fazia mençom antre as outras cousas que o dicto senhor rei mandava a todollos juizes e justiças dos seus regnos a que a dicta carta fose mostrada que posto que alguumas pesoas perante elles çitarem ou demandarem ou quiserem demandar o dicto Diago Soarez por quaesquer cousas que sejam que nom tomasem conhoçimento de nenhuuns seus fectos se o alghuum quisese demandar que o demandase perante o senhor da sua corte a qual fora dada em Santarem dez dias do mes de março da Era de mil e IIII.c e quareenta VIII anos.”

Dezendo o dicto Diago Lourenço por que a dicta carta embargava a dicta enquiriçom que se nom tirase e que outrosi embargava as dictas cartas que os dictos autores mostram a se nom fazer per ellas obra nenhuuma e pello dicto Johaem Afomso foi dicto que as dictas suas cartas forom dadas depois da carta do dicto reeo pello dicto senhor rei e que a embargam que nom ha lugar a embargar a dicta carta do reeo de mais que o avia por nom procurador e o dicto juiz visto e razoado dos sobredictos a dicta carta por quanto a dicta enquiriçom ja era começada que mandava que se acabase a dicta enquiriçom e que entom fallara com as dictas cartas que faria o que fose certo e acabada a dicta enquiriçom que perante noso sobre aprova nom prova mandou ao dicto Johaem Afonso que çitase o dicto Gonçallo Nuniz pera a primeira audiencia que venha provar desenbargo sobre a dicta carta del rei do dicto Diago Soarez e sobre as cartas del rei do dicto Cabidoo e sobre a dicta enquiriçom e ouvir sentença defenativa <no> dicto fecto pedindo o dicto Johaem Afomso ao dicto juiz carta citetoria per que o çitase mandando lha o dicto juiz e outrosi pedindo lhe que lhe dese huum homem por seus direitos que lho fose çitar dando lhe o dicto juiz Gomez Stevez porteiro do dicto concelho d’Ovoa e dando o dicto juiz audiencia em o dicto fecto presente o dicto Johaem Afomso dise o dicto Gomez Stevez porteiro do dicto concelho d’Ovoa que el fora çitar o dicto Gonçallo Nuniz a Santar per carta do dicto juiz e que levara Lourenço Afomso de Canas de Senhorim tabelliam em Santar e que lho çitara e que lhe dera huum fecto de citaçom escrito nas costas da dicta carta per que veese ouvir sentença no dicto fecto e que como se vira çitado que prendera logo o dicto Gonçallo Nuniz o dicto Gomez Stevez e que o tevera preso e recadado dous dias e duas noites em as nellas e que jazendo de noite no dicto logo das nellas em huuma casa e homeens do dicto Gonçallo Nuniz com elle e outrem nom que posa a noite a dicta carta com a dicta çitaçom em huum dubrel a cabeça quando se deitava e que em outro dia que achara seer o dicto dubrel sobre huuma cuba que dezia que sia na dicta casa e que nom achara o el a dicta carta nem a dicta çitaçom e que lha furtarom os dictos homeens do dicto Gonçallo Nuniz dizendo o dicto Johaem Afomso que pois o dicto Gomez Stevez era porteiro do dicto concelho e era jurado no dicto oficio e dava de si fe que o com Gonçallo Nuniz fora çitado e que lhe furtarom a dicta çitaçom que o ouvese por citado e o julgase por cevil por revel e por sua rovellia que julgase que prova as condiçoens da dicta carta e que per definativa sentença lhe julgase o que pedido avia e o dicto juiz visto seu dizer do dicto autor fez pregunta ao dicto porteiro pera qual dia fora citado o dicto Gonçalo Nuniz e que pareçese perdante elle o dicto porteiro dise que fora citado pera o dia d’oontem que forom dez e seis dias do[4] mes de Dezembro e o dicto juiz visto a fe do dicto porteiro e outrosi visto em como mandou ao dicto Gonçallo Nuniz em sua pesoa que estevese per si ou per seu procurador a todollos termos e autos judiçiaaes e a todallas cousas que perteençesem a aucto de juizo no dicto fecto ouveo por çitado e mandou o apregoar o qual for apregoado per o dicto porteiro e nom pareçeu per si nem per outros e julgou o por revel e por sua revellia pornunçiou huuma sentença no dicto fecto que tal que tal he:

 Visto as dictas cartas del rei foram dadas da parte do dicto Cabidoo e outrosi vista a carta del rei dada da parte do dicto Gonçallo Nuniz curador do dicto Diago Soarez como se mostrou que as dictas cartas do dicto Cabidoo forom dadas depois da dada da dicta carta do dicto Diago Soarez acho que a dicta carta do dicto Diago Soarez nom embarga a se fazer obra per as dictas cartas do dicto Cabidoo segundo em elles he conteudo e outrosi visto como mandei çitar o dicto Gonçalo Nuniz curador do dicto Diago Soarez que per si ou per seu procurador veese estar ao desenbargo sobre as dictas[5] cartas sobre a prova da dicta enquiriçom e ouvir sentença defenativa e visto em como Gomez porteiro do dicto conçelho foi çitar o dicto Gonçallo Nuniz per minha carta e visto como da fe que o citan Lourenço Afomso tabelliam de Santar e conigo deu huum fecto de citaçom nas costas da dicta carta escrito e visto como diz e da de si fez o dicto porteiro que o dicto Gonçallo Nuniz como se viio çitado que o mandou logo prender e que em jazendo por so que homeens do dicto Gonçallo Nuniz lhe furtarom a dicta carta çitatoria e o fecto da dicta çitaçom e visto em como o dicto porteiro da fe que o dicto Gonçallo Nuniz foi çitado esta quarta feira que forom treze dias do mes de dezembro que ora he e que o o dia do pareçer era o dia d’oontem que forom dez e seis dias do dicto mes e visto como o dicto Gonçallo Nuniz fora pregoado e nom pareçeu per si nem per outrem ei o por revel e por sua revellia julgo que o dicto Cabidoo prova as condiçoens das dictas cartas quanto avonda e dando e defenetiva sentença per a lei nova del rei julgo per sentença defenativa por o dicto Cabidoo da See de Coinbra seja tornado restituido a pose dos dictos casaaes que por vandados som na dicta enquiriçom que som do dicto Cabidoo convem a saber: Val do Barco e o Ranhadoiro e depois quinhaes huum da Parada e huuma herdade na Zarroeira e huum casal em Sam Paaio e que sejam entreges da propriedade e senhorio dos dictos casaes e herdades e per esta sentença julga que os caseiros e lavradores dos dictos casaes e herdades deem e entregem ao dicto Cabidoo todas as nobidades que em seu poder teem que os dictos casaaes e herdades renderom des o tempo que lhes forom embargados pelo dicto Fernam Gonçallbiz ata ora e asi daqui em diante e com dano o dicto reoo nas custas e o dicto Johaem Afomso reçebeu sentença e protestou por todo o direito do dicto Cabidoo e Diago Lourenço amo do dicto Diago Soarez que presentes estava apellou e o dicto juiz nom lha reçebeu por quanto nom mostraba procuraçom do dicto Gonçallo Nuniz nem do dicto Diago Soarez e o dicto Diago Lourenço agrabou e o dicto juiz nom lho mandou dar por quanto se nom mostrava procura dar dos sobredictos e o dicto Johaem Afomso em nome do dicto Cabidoo pedio a mim tabeliam adiante nomeado asi huuma sentença que foi fecta no dicto logo d’Ovoa nas Lagoas da … Picota dez e sete dias do mes de dezembro Era de mil e IIII.c e çincoenta anos.

Testemunhas que a esto presentes forom: Joham Lourenço e Fernando Afomso tabeliaaos e Alvaro Afomso de Santa Coonba e Afomso scudeiro e Gil Lourenço de Villa Nova e Gonçallo Anes e Afomso Nuniz de Sam Paaio e Antomio Dominguez de Cagido e outros e eu Johaem Afomso tabeliam del rei <no dicto logo d’Ovoa> a todo fecto presente foi e esta sentença com a antrelinha que diz no dicto logo d’Ovoa em este rool costeiro scrvi e em elle dous meus signaaes fiz com este aqui que tal (sinal do tabelião) he.

Pago esta sentença e fecto quinque reais.

 

 

[1] Dobra do documento tornando impercetível a sua leitura.

[2] Repete a palavra por.

[3] Dobra do documento tornando impercetível a sua leitura.

[4] Segue-se a palavra dicto riscada.

[5] Segue-se a palavra casaas riscada.

Anúncios